30 abril 2009

DVD em 1932?

Uma proposta da RCA Selectavision, uma divisão da RCA de onde vieram a fita magnética e o VHS... em 1932.

Veja o "anúncio":



"Home Movies From Phonograph Records

PLAY a moving picture from a phonograph record!

When Baird, the English television experimenter, suggested this system several years ago, he did not realize how soon it would be before his prophecy would come true.

Those who have listened to television programs know that the signals become audible in the form of a shrill whistle in the loudspeaker. This whistle carries the picture elements in the form of modulated sound.

If we pass this sound through suitable apparatus it becomes capable of reproducing a picture. It is obvious, then, that we could record this sound on a phonograph record and “can” a picture just as we now “can” sound in the form of music.

The sound, in the form of electric current, is taken from the phonograph record by means of a specially designed electrical pick-up. From this point it is carried to an amplifier and thence to a television crater tube. At this point the image is thrown on the screen.

While much remains to be done to develop this apparatus, we may look forward to the day when our moving pictures will come in this new and convenient form."

Fonte: modernmechanix

Só para ter comparação do avançado da idéia: em 1928 foi instalada a primeira estação de TV nos EUA

















































Fonte: tvhistory


Mauricio Domene

28 abril 2009

Música pirata em 1897 ?!?

É só trocar os números e ao invés de partitura substituir por CD e download que o texto parece que foi escrito hoje.




Fonte: NY Times

27 abril 2009

Tico Tico no Fubá em versões

Versões do Tico Tico no Fubá.

Composta por Zequinha de Abreu (1880-1935), compositor paulistano, em 1917, logo se tornou sucesso.

Tornou-se uma das músicas mais conhecidas e gravadas, no Brasil e no exterior, com versões por Carmen Miranda



Ray Conniff e outros.



Em 1945 a música fez parte da trilha sonora de nada menos que 5 filmes americanos, entre eles "Saludos Amigos", da Disney, onde pela primeira vez apareceu o personagem Zé Carioca.

Em 1952 a Cia. Cinematográfica Vera Cruz produziu sob direção de Fernando de Barros e Adolfo Celi o filme "Tico-tico no fubá" baseado na vida de Zequinha de Abreu, estrelado por Anselmo Duarte e Tônia Carrero, com trilha sonora de Radamés Gnatalli.

Ah, certo... você achou Ray Conniff meio brega.
Mas é porque você não viu isso:

Liberace



Claro, toda música muito executada, é passível de sofrer esses desatinos.

Mas também tem muita coisa boa:

Hermeto Pascoal e Sivuca



Paco de Lucia



Quer mais?

Um site com 61 versões do Tico Tico no Fubá.

http://blog.wfmu.org/freeform/2005/11/61_versions_of_.html


Mauricio Domene

15 abril 2009

The Art and Business of Song

Infelizmente, sem legenda. Mas para quem entende inglês, e principalmente para quem se interessa pelo assunto, vale a pena ver. Um pouco longo (1h28m), mas valioso.

Wendy & Lisa são mais conhecidas por terem participado de uma fase muito importante da banda do Prince (anos 80). Atualmente estão envolvidas com projetos de trilha sonora (Heroes) e acabaram de lançar um belíssimo disco de canções (pode ser ouvido aqui).



Ann Powers in Conversation with Wendy & Lisa. Join Popular Music Project 2008-09 Artist in Residence and LA Times pop music critic Ann Powers as she talks about the business of making music, past and present, with Wendy and Lisa. Wendy Melvoin and Lisa Coleman are best known for their collaborations with Prince in the early-mid 1980s. They began their career as a duo in 1986 and currently score the music for the NBC series Heroes as well as the upcoming Fox series Virtuality, and Showtimes Nurse Jackie.

13 abril 2009

Download de música... em 1983??

Sim, em 1983, muito antes da Internet comercial, antes do sucesso do CD, muito antes do que qualquer um de nós pudesse imaginar tudo que está acontecendo com a música na Internet.

Quem foi o gênio que pensou nisso?

Frank Zappa (1940 – 1993)



O mesmo gênio que pensou a música num formato totalmente diferente, que deu o primeiro emprego ao Steve Vai, que lutou contra censura nos EUA veementemente, e com discursos recheados de tiradas sarcásticas e geniais, que brigou com a sua gravadora (Warner) em 1977 por incentivar os fãs a gravarem as músicas do seu disco das rádios (disco esse que havia sido recusado pela Warner), etc.

Tem muito material sobre Zappa na net, como esse no Wikipedia, esse no AllMusic, fora o site oficial dele.

Abaixo, em trecho da proposta dele para um sistema de venda de músicas para substituir o sistema de venda de discos.


A PROPOSAL FOR A SYSTEM TO REPLACE ORDINARY RECORD MERCHANDISING

- copyright 1983 by Frank Zappa -

Ordinary phonograph record merchandising as it exists today is a stupid process which concerns itself essentially with pieces of plastic, wrapped in pieces of cardboard.

These objects, in quantity, are heavy and expensive to ship. The manufacturing process is complicated and crude. Quality control for the stamping of the discs is an exercise in futility. The system is subject to pilferage (as, in some instances, pressing 'over-runs' have been initiated, with the quantity pressed above the amount of the legitimate order removed from the premises and sold on the black market).
...
Every major record company has vaults full of (and perpetual rights to) great recording by major artists in many categories which might still provide enjoyment to music consumers if they were made available in the right way. MUSIC CONSUMERS LIKE TO CONSUME MUSIC . . . NOT PIECES OF VINYL WRAPPED IN PIECES OF CARDBOARD.

Aqui você pode ler a proposta completa escrita por Frank Zappa em 1983.

02 abril 2009

1º de abril musical

A melhor pegadinha de 1º abril que já vi.

A Apple colocou na loja do iTunes uma promoção especial no dia 1º de abril.
Download de graça da música 4'33" do John Cage.

De graça!! E a pegadinha não era isso. Realmente era de graça.

A pegadinha era que muita gente desconhece a música 4'33".

Definitivamente foi a melhor pegadinha de 1º de abril que eu não ouvi.

Mauricio Domene